Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo

Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo

O PSVA pretende apoiar os agentes económicos na melhoria do desempenho ambiental, social e económico da atividade vitivinícola da região e promover o reconhecimento do desempenho de sustentabilidade dos vinhos da região como instrumento de resposta a uma falha de mercado existente e à afirmação da marca Alentejo nos mercados interno e externo.

Pretende igualmente:

  • A articulação de toda a fileira do vinho no Alentejo numa filosofia de bem-estar social, ambiental e económico a nível local e regional, sendo de destacar a incorporação de princípios de ecoeficiência com o objetivo de promover uma utilização mais eficiente dos recursos, incentivar a redução e reutilização de coprodutos reduzindo custos operacionais internos;
     
  • A produção de vinhos do Alentejo com reconhecido desempenho sustentável, resultante da incorporação de conhecimento adquirido em projetos de I&D;
     
  • A identificação do desempenho dos produtores, comparar os resultados entre pares (cooperação empresarial), e definir áreas de melhoria e de planos de ação que alterarão as práticas de produção;
     
  • A definição do processo de certificação segundo o referencial de produção sustentável que possibilitará o reconhecimento da qualidade dos Vinhos do Alentejo pelo seu desempenho de sustentabilidade, evitando a exposição a riscos reputacionais.

Neste contexto, o presente projeto teve o apoio financeiro da União Europeia através do Programa Operacional Regional do Alentejo.

 

Política CVRA para o Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo

O sector vitivinícola tem uma dependência total dos recursos naturais, da energia solar, de condições climatéricas apropriadas, água limpa e potável, e de solos saudáveis, devendo haver uma integração bem-sucedida destes elementos de forma ecologicamente sã. A CVRA considera ser uma prioridade a proteção e valorização destes ativos naturais através de práticas sustentáveis exercidas por colaboradores altamente qualificados.


Missão

  • Articular a indústria do vinho no Alentejo numa filosofia de bem-estar social, ambiental e económico a nível local, nacional e internacional;
     
  • Desenvolver espírito de colaboração entre o maior número possível de viticultores e produtores de vinho do Alentejo numa abordagem de mútuo benefício;
     
  • Providenciar aos viticultores e produtores de vinho do Alentejo incentivos suficientes para investir tempo, esforços e recursos em soluções inovadoras com os ganhos económicos, sociais e ambientais;
     
  • Estimular a investigação e a eco-inovação para fornecer as ferramentas necessárias para dirigir o setor vitivinícola do Alentejo em mudanças que tragam abordagens mais sustentáveis;
     
  • Formar e educar por forma a disseminar o conhecimento existente em larga escala e providenciar aos viticultores e produtores de vinho do Alentejo as melhores práticas disponíveis em tempo útil;
     
  • Divulgar ao público em geral as credenciais associadas a uma produção sustentável da região vitivinícola alentejana por forma a obter reconhecimento e valorização para os vinhos do Alentejo.

Visão

  • Construir uma estratégia partilhada sobre sustentabilidade para a produção vitivinícola da região do Alentejo;
     
  • Ter abordagens inovadoras na produção de vinho que levem à conservação de recursos naturais e à biodiversidade, contribuindo para o combate às alterações climáticas e gerando oportunidades de crescimento e valorização do produto final para o sector vitivinícola, desenvolvendo, ao mesmo tempo, novos mercados para produtos e serviços e promovendo a manutenção de bens públicos (qualidade da água, ar e solo, conservação da biodiversidade);
     
  • Utilizar o melhor conhecimento profissional e investigação científica disponível, através de uma abordagem integrada, por forma a integrar toda a cadeia de valor do vinho e a equilibrar da melhor forma os aspetos sociais, económicos e ambientais.

Valores

  • Manter a liderança no setor vitivinícola português e procurar estar sempre na vanguarda da inovação;
     
  • Aumentar a qualidade da produção de uvas e do vinho no Alentejo;
     
  • Assumir a liderança na proteção do ambiente e conservação dos recursos naturais da região alentejana no sector vitivinícola;
     
  • Apoiar a formação profissional contínua, e o bem-estar económico e social dos colaboradores da vinha e adega;
     
  • Potenciar o envolvimento das comunidades via criação de empregos, colaboração com negócios locais e respeito pelas tradições e cultura;
     
  • Apoiar colaborações com instituições de Investigação & Desenvolvimento nacionais e internacionais;
     
  • Garantir a melhoria contínua do PSVA.

Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo

Porquê um Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo (PSVA)?

Para ligar competitividade com objetivos ambientais e criar oportunidades a partir de uma estratégia de sustentabilidade orientada por forma a:

  • Reduzir custos e aumentar a viabilidade económica
  • Incentivar a pro-atividade em relação ao aumento das pressões ambientais
  • Responder a preocupações sociais
  • Melhorar a qualidade e competitividade do produto final
  • Reduzir os desperdícios de produtos
  • Minimizar os riscos e exposição a responsabilidades
  • Colocar produto em mercados novos
  • Integrar em rede produtores com sensibilidades semelhantes
  • Garantir a durabilidade do negócio
  • Providenciar maior transparência dentro da cadeia de fornecedores e implementar estratégias de comunicação inteligente  

 

O PSVA

O Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo (PSVA) é uma iniciativa, de adesão voluntária, promovida pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) e dirigida aos produtores de uva e de vinho da Região Vitivinícola do Alentejo. Os Programas Coletivos de Sustentabilidade são uma prática comum em algumas regiões vitivinícolas mundiais, tendo vindo a ganhar importância em mercados nos quais os vinhos do Alentejo têm vindo a ganhar posição.

Tanto mercados externos como o interno começam a exigir garantias da aplicação de princípios de sustentabilidade.

Por forma a iniciar a implementação do PSVA é obrigatório a execução de uma autoavaliação. A autoavaliação foi desenvolvida para ser uma metodologia normalizada e alinhada com o referencial a adotar pelo Programa, a preencher pelos aderentes e com uma matriz de avaliação de níveis de desempenho. Pretende-se que esta autoavaliação respeite a metodologia clássica de melhoria contínua de um sistema e será por isso obrigatório a sua execução anual.

A autoavaliação está organizada em 3 sectores distintos (Viticultura; Adega; Viticultura & Adega). Esta distinção entre sectores prende-se com a tipologia de produtores presentes no universo da CVRA.

Âmbito do Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo

Sob o conjunto geral destes 3 sectores foram desenvolvidos numa primeira fase de implementação, os denominados Capítulos de Intervenção Primária (CIP). Numa segunda fase, iniciada no final de 2018, a metodologia de avaliação foi adaptada ao acréscimo de Capítulos, tendo sido iniciada assim a implementação e avaliação dos Capítulos de Intervenção Secundária (CIS), no caso dos membros elegíveis, de acordo com as regras do PSVA.

Capítulos de Intervenção Primária e Secundária

Será estabelecida uma Categoria Geral de Sustentabilidade após a conclusão da autoavaliação para os 11 capítulos iniciais. Assim, após a conclusão da autoavaliação dos Capítulos de Intervenção Primária será obtido um valor para a Categoria Geral de Sustentabilidade. Esse valor localizar-se-á entre um dos 4 intervalos definidos para a Categoria Geral de Sustentabilidade (Pré-Inicial, Inicial, Intermédio e Desenvolvido).

Assim, inicialmente foram desenvolvidos 11 Capítulos de Intervenção Primária com 108 Critérios distribuídos por estes Capítulos. 

Capítulos e Critérios de Intervenção Primária
Gestão de Doenças e Pragas na Vinha

O objetivo final para cada membro do PSVA será o de trabalhar a sua própria melhoria contínua através da identificação de áreas de melhoria e implementação de planos de ação anuais, com o intuito de evoluir no ano seguinte e de se posicionar no médio prazo na Categoria Geral de Sustentabilidade de Desenvolvido.

Uma vez atingida esta Categoria, serão tornados disponíveis os 7 Capítulos de Intervenção Secundária, com 63 Critérios distribuídos da seguinte forma.

Capítulos e Critérios de Intervenção Secundária
Socio Economia e Desenvolvimento Regional

O PSVA tem neste momento 18 Capítulos com 171 critérios de Avaliação.

Uma vez atingida esta Categoria, serão tornados disponíveis os Capítulos de Intervenção Secundária, sendo mantida a metodologia aplicada. Será apenas quando o membro do PSVA atingir a Categoria Final de Desenvolvido na totalidade dos 18 Capítulos do PSVA que se procederá a uma validação de terceira parte e a um reconhecimento em sustentabilidade para o processo produtivo do membro do PSVA em causa.

Após submissão da Autoavaliação, por forma a garantir a credibilidade do projeto, todos os resultados das autoavaliações de cada membro do PSVA serão sujeitas a uma verificação interna por parte da CVRA. A autoavaliação servirá como um diagnóstico anual individual sobre as práticas sustentáveis praticadas ou não, pelo membro do PSVA nas suas atividades.  

 

Categoria Geral de Sustentabilidade

A Categoria Geral de Sustentabilidade será estabelecida após a conclusão da autoavaliação para os 18 capítulos, tal como indicado em baixo (para mais informações ver Separador Certificação).
 

Percentagem Mínima de Transição para a Categoria Geral de Sustentabilidade do PSVA

O objetivo final para cada membro do PSVA será o de trabalhar a sua própria melhoria continua com o intuito de se situar eventualmente na Categoria Geral de Sustentabilidade de Desenvolvido.  

 

A estória até aqui.

O PSVA começou a ser planeado a partir de 2013, tendo sido lançado oficialmente aos produtores em Maio de 2015.

Com uma estratégia assente em ações com benefícios rápidos e de baixo investimento (low hanging fruits) foram abertos 11 de Capítulos de Intervenção Primária (CIP), por forma a demonstrar ao universo de produtores de uva e vinho do Alentejo os benefícios claros em aderir e implementar o PSVA nas suas vinhas e adegas.

Esta estratégia apresentou resultados quase imediatos, com o Programa a contar 93 membros no final de 2015, número que tem vindo a aumentar a cada ano.

Foi com grande satisfação que no final de 2018 abrimos 7 novos capítulos de intervenção - Capítulos de Intervenção Secundária (CIS) - disponibilizados aos membros que já tinham atingido o valor exigido nos 11 CIP.

A natureza de melhoria contínua do PSVA, associado a um universo muito heterogéneo, com membros de dimensões variadas, diferentes capacidades ao nível económico e financeiro, tamanho de equipas, objetivos ou estratégias, propicia a existência de várias velocidades de implementação e desenvolvimento, que tem a sua maior expressão nos gráficos da evolução anual do PSVA apresentados no final desta página.  

 

Como os nossos números têm evoluído

Desta forma, a CVRA faz duas avaliações em paralelo da implementação regional do PSVA.

Até 2018 foi avaliada a evolução regional relativamente à implementação e melhoria contínua dos 11 Capítulos de Intervenção Primária (CIP), que foi depois alargada, em 2019, à análise regional da evolução dos 7 Capítulos de Intervenção Secundária (CIS).

Ao analisar a evolução nos gráficos aranha, nomeadamente nos CIP, constata-se que os mesmos expandem e comprimem a cada ano que passa, o que se deve a duas características do PSVA: o modelo de melhoria contínua implementado, que faz com que a cada avaliação de cada membro os valores subam e consequentemente o gráfico expanda e, a entrada constante de novos membros, com um nível de sustentabilidade implementado menor que a média vigente no PSVA, fazendo assim com que o gráfico aranha contraia.

Resultados de intervenção primária 2015-2019
Pontuação anual média CIP
Resultados de intervenção secundária 2019
Pontuação anual média CIS